contato@datasafe.com.br
(11) 3723-3299

Menu

Sem uso de armas e discrição nas ações, segurança privada vive aquecimento

.

Fonte: LUCAS VETORAZZO MARCO ANTÔNIO MARTINS - DO RIO
03/08/2016 12h00

Enquanto as atenções se voltam para a segurança pública feita por forças oficiais nos Jogos Olímpicos, um outro segmento, o da segurança privada de delegações, VIPs e patrocinadores, vive um aquecimento.

Os agentes têm perfil mais discreto, mas atuam de forma similar aos das forças públicas: vistoriam locais a serem visitados por seus clientes e monitoram rotas de chegada e de fuga. A diferença é que tentam fazer isso sem que ninguém perceba.

Quando acompanham as delegações, os agentes em campo se misturam aos clientes, em geral não usam armas e nunca estão uniformizados.

O sargento da reserva do Exército americano Cleber Ferreira, 43, é dos que atuará nos Jogos. Ele fará a segurança de convidados de um grande patrocinador, de cujo nome pediu sigilo.

Ferreira, que tem dupla cidadania -brasileira e americana- e lutou na guerra do Afeganistão entre 2010 e 2011, fez o mesmo trabalho na Copa-2014. No fatídico Brasil-Alemanha, acompanhava um grupo de 200 VIPs sul-africanos no Mineirão.



aquecimento do mercado de segurança privada durante os Jogos. Cleber Serpa Ferreira, consultor internacional de segurança
Cleber Serpa Ferreira, consultor internacional de segurançaArquivo pessoal

Com a derrota, houve confusão devido à frustração dos torcedores brasileiros.

"Meu trabalho foi postergar ao máximo a saída do grupo do estádio, porque havia possibilidade de embates entre a polícia e torcedores chateados. Queria evitar que os clientes se deparassem com uma confusão no trajeto até o ônibus", diz.

Para ter uma dimensão do que ocorria, ele tinha uma equipe de 14 homens monitorando a situação no estádio e usava fontes dentro da polícia para saber como estava a movimentação dos agentes em relação aos torcedores.

"Não somos guarda-costas. Não vamos sair no braço com um agressor ou assaltante. O trabalho é um sucesso quando nenhum problema ocorre", disse.

Não há dados oficiais sobre a atuação desse tipo de profissional. Segundo a diretora da ABSEG (Associação Brasileira dos Profissionais de Segurança), Cristiane Santana, o setor quase dobrou de tamanho desde a Copa das Confederações, em 2013.

Algumas delegações estrangeiras também têm a sua segurança particular -o consulado do Japão fez uma consulta à PF sobre uma empresa que pretende contratar.

Em geral, os estrangeiros que vêm ao Brasil mandam, antes de chegar no país, os chamados "precursores", que são brasileiros contratados por empresas estrangeiras que não podem atuar em campo no Brasil.

Eles fazem uma avaliação e contratam uma segurança local. Tanto a empresa como esses seguranças devem estar cadastrados na PF.

Esses vigilantes podem andar armados, mas não têm autorização para portar armas no interior dos ginásios e locais de competição.

VIGILANTES

Houve aquecimento semelhante no mercado de vigilantes, profissionais de segurança privados que usam uniformes, também conhecidos como apoio.

De acordo com a Polícia Federal, em seis meses, 6.900 vigilantes se cadastraram para poder trabalhar neste período do evento. Na Copa do Mundo há dois anos o número chegou a 3.000.

"O mercado está aquecido. Se percebe isso pelo grande número de profissionais que buscaram se atualizar e estarem em condições de trabalharem em algo envolvendo a Olimpíada", afirmou o delegado Marcelo Daemon, da Delegacia Especial de Segurança Privada, da PF.

Durante os Jogos será possível vê-los nas áreas de alimentação e de convivência dos parques olímpicos da Barra e de Deodoro, por exemplo. Nessas áreas haverá cerca de 1.500 vigilantes.

Para atuar, todos precisam ter feito o cadastro biométrico na PF, não ter antecedentes criminais e ter feito o curso de Grandes Eventos, criado na época da Copa do Mundo de 2014.

Para fiscalizar a atuação da segurança privada na Olimpíada, a PF manterá dois postos fixos: em Deodoro e outro na Barra da Tijuca, além de uma equipe móvel que percorrerá outras áreas como Marina da Glória e Lagoa, por exemplo.

Publicado em: 11/08/2016 15:46:22

Mapa do Site

Endereço
R. Dr. Clóvis de Oliveira, 258
Morumbi
São Paulo - SP
05616-130

© 2016 | Datasafe - Todos direitos reservados